MIAU-MIAU, ADEUS AO GATO MAU!

17 de Agosto de 2011 Área Policial
A diretoria da Agência Nacional da Vigilância Sanitária (ANVISA) decidiu no dia 8 de agosto incluir a Mefedrona na lista de substâncias proscritas, portanto sua venda passa a ser proibida no país sendo considerada droga ilícita. A medida entra em vigor a partir de sua publicação no Diário Oficial da União (DOU). Foi a Polícia Federal que solicitou à agência para declarar a substância como proibida.

A Mefedrona apelidada de "miau-miau", "drona" e " M cat", está sendo comercializada no Brasil pela Internet, como fertilizante para plantas domésticas, incensos ou sais de banho, uma vez que a droga importada legalmente também é utilizada para esta fim "recreativo".

Com um efeito parecido com o ecstasy (MMDA), a droga causa palpitações, náusea, insônia e até sangramento que, se não estancado, pode levar à morte. A droga é apresentada como um pó branco ou amarelado podendo ser inalado, ingerido na forma de comprimidos ou cápsulas ou até injetado diretamente na veia.

Muito usada em clubes e bares noturnos, a Mefedrona vicia rapidamente e já se tornou popular na Espanha, Suécia e em países do Reino Unido, sendo lá a quarta droga no consumo, causando muitas mortes . Foi a Polícia Federal do Brasil que solicitou à Agência Nacional da Vigilância Sanitária(Anvisa) para declarar a substância como proibida.

Normalmente vendida como pó, os efeitos da droga incluem o aumento da euforia, do estado de alerta e da inquietação. A mefedrona vem sendo apontada como um dos compostos sintéticos, como a "naphyrone", uma droga que vem sendo vendida ilegalmente na Europa, como sendo fabricada para produzir efeitos semelhantes aos de substâncias controladas internacionalmente, como a cocaína.

No entanto, devido às diferenças químicas, frequentemente não há restrições legais nos países em relação à sua fabricação e distribuição. Os efeitos secundários registrados são a coloração azul e violeta dos membros, eventual estreitamento da aorta, transpiração abundante e taquicardia. A mefedrona é mais propensa a provocar dependência do que as demais drogas, como o efeito desaparece rapidamente, há maior tendência a uma nova ingestão.Pela eficaz vigilância, digna de um "cão fila", parabenizo a ANVISA.

Sobre o autor:
Roger Ancillotti, perito-legista e ex-diretor do IML-RJ

Fonte: Roger Ancillotti

Visitas: 547
Categorias: Todas as Notícias | Área Jurídica | Área Policial | Carreiras | Concursos | Concursos | Entrevista | Eventos | Facebook | OAB

0 Comentário(s)