Concursos dos Correios - Parte I

30 de Março de 2011 Concursos
O concurso dos Correios é um daqueles que chamam muito a atenção por vários motivos:

1 - Irá trabalhar em uma empresa pública conhecidíssima;

2 - Por oferecer milhares de vagas distribuídas por todo o país;

3 - Por parecer muito fácil de passar.

Por conta desses motivos muitos concurseiros decidem prestar esse concurso sem ao menos pensar nas atribuições dos cargos, vários deles exigindo dos aprovados intensa atividade física como os cargos de carteiro e operador de triagem e transbordo. Exatamente por isso tais concursos resultam em altos índices de desistência por parte dos aprovados antes e após assumir o cargo.

Claro que não é pecado algum desistir de prestar um concurso ou mesmo pedir demissão de um cargo no qual não nos adaptamos e/ou não estamos satisfeitos. Porém é preciso evitar que isso aconteça a todo o custo a fim de evitar desperdício de tempo, dinheiro, motivação, recursos e tempo de estudo, algo precioso. E isso somente pode ser feito com a análise prévia e cuidadosa sobre o concurso.

Faça as seguintes perguntas para você: Você está disposto a andar quilômetros diariamente sob o sol forte e chuva contínua como carteiro? Você tem condições físicas e disposição para fazer diariamente o trabalho pesado da triagem e transbordo de correspondências? Você não pode se basear no "acho que estou", você tem de ter certeza. Na dúvida, melhor nem prestar o concurso.

É algo muito difícil viver o drama de passar em um concurso, assumir o cargo, trabalhar algum tempo, e amargamente descobrir que "esse trabalho não é para mim" e então "pedir pra sair". Não pense que isso não deixará marcas em você e não afetará negativamente seus estudos para outros concursos públicos por algum tempo. Por isso todo cuidado é pouco, analise com cautela se prestará ou não o concurso dos Correios.

Fonte: Editora Impetus

Visitas: 138
Categorias: Todas as Notícias | Área Jurídica | Área Policial | Carreiras | Concursos | Concursos | Entrevista | Eventos | Facebook | OAB

0 Comentário(s)