Série os 7 pecados de um concurseiro - Luxúria

07 de Agosto de 2012 Concursos
Luxúria
lu.xú.ria
sf (lat luxuria) 1 Exuberância de seiva, serviço dos vegetais. 2 Cio. 3 Corrupção de costumes.

Dentro dos sete pecados, a luxúria significa muito mais do que vontade carnal, é desejo incontrolável de fazer algo. Algo que vicia, que aprisiona, que corrompe os valores e acaba por destruir a pessoa. É o desejo passional e egoísta por todo o prazer material. Também pode ser entendido em seu sentido original: "deixar-se dominar pelas paixões".
No mundo dos concursos, o pecado da luxúria está associado à internet, e os mesmos sintomas - o desejo passional e egoísta por todo o prazer material - acontecem com o concurseiro que se deixa dominar por esse pecado. Ela mesmo, a nossa tão amada internet cheia de atrativos e encantamentos que desviam a mente, a concentração e retiram a capacidade de raciocinar do concurseiro.

Nos dias de hoje a internet é indispensável para um mundo que muda a todo segundo. São milhões de informações circulando diariamente e, para o concurseiro, saber algo antes dos outros ou um pouco mais do que os outros concorrentes pode decretar o seu sucesso em determinado concurso.

O problema está naquele concurseiro que se sabota, vive em frente ao computador dando uma "olhadinha" no facebook e nos seus e-mails para saber se houve alguma atualização e, acaba não estudando a matéria que precisava. Pode observar: No dia que sai o resultado da prova, ele vê que não passou e fica se lamentando: "Poxa, mas eu estudei todo o conteúdo, por que não passei?"
Já vi muitos concurseiros que não saiam de jeito nenhum dos fóruns de determinados concursos. Em todas as postagens, lá estava a opinião dele. A cada etapa do concurso, ele queria ser o primeiro a postar; sofria com a relação candidato x vaga divulgada pela banca organizadora; dizia que a matéria era muito extensa e que não teria tempo para dar conta de todo aquele conteúdo; quando saia o gabarito, tentava de qualquer forma interpor recursos dizendo que aquela parte da matéria não havia sido pedida no edital e, quando nada mais dava jeito, dizia que o concurso havia sido uma fraude.

Desses concurseiros, existe aquele que entra no facebook para dar o "bom-dia", o "boa-tarde" e o "boa-noite"; é um vício, é irracional. Se não o fizer, sente que está faltando algo em sua vida. É o "complexo de Big Brother": achar que tem sempre alguém acompanhando a sua vida pela web o tempo todo, que tem sempre alguém "dando uma espiadinha" no que acontece na sua trajetória concurseira. Tem também aquele que entra para colocar frases de efeito e incentivo. Veja bem, não estou criticando aqueles concurseiros que gostam de incentivar os amigos nessa jornada, eu mesma muitas vezes coloco algumas coisas legais no meu facebook para incentivar aqueles que me acompanham, mas quando estou em período de estudos, só faço isso quando estou com uma certa segurança na matéria que estou estudando ou quando não estou me preparando para nenhum concurso. Não adianta nada ficar grudado na tela do computador incentivando os outros, mostrando que é o concurseiro guerreiro, se a parte mais difícil da batalha - que é estudar - você já perdeu para a internet.

Não digo que a internet é a vilã da história. Por causa dela, hoje temos nas pontas dos dedos acesso a editais, provas passadas, informações, tira-dúvidas e a uma infinidade de materiais de orientação e estudos. Tudo fácil, prático e rápido.

Cursinhos? Os virtuais permitem estudar em qualquer lugar e a qualquer hora. Livros bons e mais baratos? Comprados facilmente. Acompanhar as notícias sobre os concursos pela internet é normal, saudável, assim como você acompanha pelos jornais, televisão etc. Estar conectado a pessoas que tem os mesmos objetivos e tirar dúvidas sobre as matérias é plenamente justificável.
O problema está na paixão desenfreada por ela. Tem de haver equilíbrio em tudo na vida. Não só no acesso à internet, mas também a todas as mídias e no seu tempo de estudo. Uma pessoa que não se deixa escravizar pelas coisas e situações consegue alcançar mais rápido e com mais saúde os seus objetivos.

Concurso da Polícia Federal - Teste de resistência
Como exemplo para o pecado acima, pego o gancho do Concurso para a Polícia Federal. Quem está estudando, tem de aprender no mínimo 11 matérias e ainda se preparar para o teste de aptidão física. Conforme as últimas notícias, o concurso no momento está suspenso por conta de não haver o percentual de vagas destinadas aos portadores de deficiência. A alegação é a de que a deficiência não é compatível com o trabalho que é realizado pelos agentes.
Nesse turbilhão de informações, o candidato que está estudando fica "curioso" para saber qual será o próximo capítulo, e acaba desfocando do objetivo maior. Aproveitar esse tempo de espera para se aperfeiçoar naquilo que ainda tem dúvidas é a melhor coisa a fazer. Se dependurar na internet para ficar acompanhando o desenrolar da situação não vai ajudar muito, pelo contrário, vai criar uma expectativa e uma ansiedade que podem prejudicar, e muito, o candidato na hora de fazer a prova.

FICA A DICA: Continue a estudar como se nada tivesse acontecido, ou melhor, como se você tivesse recebido um bônus por sua dedicação a esse concurso e uma chance a mais de melhorar. Pode ser que nesses dias de atraso seja tirada aquela dúvida que o levará a marcar a alternativa certa naquela questão que lhe dará a vaga.

Fonte: Monique Muniz - Editora do Blog Concurseira Net

Visitas: 165
Categorias: Todas as Notícias | Área Jurídica | Área Policial | Carreiras | Concursos | Concursos | Entrevista | Eventos | Facebook | OAB

0 Comentário(s)