Entrevista com a professora de Direito Administrativo Fernanda Marinela

04 de Outubro de 2010 Entrevista
Autora de duas obras pela Editora Impetus: Direito Administrativo, 4ª edição e Servidores Públicos, também em 4ª edição, Fernanda Marinela conta sobre como surgiu a ideia de lançar uma obra para concursos públicos e fala da paixão pelo tema "servidores públicos". Ainda nesta entrevista, a autora oferece dicas sobre como se preparar para provas de Direito Administrativo.

Qual foi sua intenção ao escrever um livro de Direito Administrativo para concursos públicos tendo em vista a grande variedade de títulos da matéria existentes no mercado editorial?

Bom, é que apesar de minhas pesquisas com quase todas as obras existentes no mercado, vi que faltava uma que abordasse o tema numa linguagem objetiva e direcionada para o "concurseiro". Nada contra as obras aí existentes, de inegável valor científico e didático; o que ocorre é que não enxerguei em nenhuma delas a visão necessária para aquele que quisesse estudar e aprender o Direito Administrativo em relativamente pouco tempo e visando a um concurso público. Assim, minha intenção foi tentar escrever a matéria completa e de forma agradável para ler, sem me esquecer do programa, pois de nada adianta fazer uma leitura agradável que não vai ser útil ao leitor na hora da prova.

Quais são os maiores diferenciais desse livro em relação a esses outros títulos? Por que você o recomenda para os concurseiros em geral?

A grande diferença dessa obra em relação às outras é o foco no concurso. Para isso, o livro precisa ser bastante atual, conter a jurisprudência mais importante e atualizada acerca de cada tema, bem como deve explicar a "estória" de cada tema polêmico, para que o leitor entenda como determinadas situações (por exemplo, aposentadoria) têm a configuração atual no nosso ordenamento.

Nessa obra, não digo simplesmente que "o STF entende do modo tal...", procuro explicar por que o STF - ou o STJ - chegaram a tal entendimento. Desse modo, fica muito mais fácil o aprendizado.

A obra, também, é bastante atual, objetivo que busco ao máximo e sempre pressiono a editora (e esta tem se saído muito bem), pois quero que o livro chegue aos leitores o quanto antes, para que possam ler o que há de mais novo no Direito Administrativo.

Independentemente do tamanho da obra, todo autor tem sempre uma preferência particular em relação a um tema específico. Quais as unidades deste livro você destacaria como suas favoritas?

Minha paixão é o capítulo que trata de servidores públicos, tanto que, depois que terminei o capítulo, ele ficou tão grande que acabei por transformá-lo em um livro à parte (Servidores Públicos. Ed. Impetus, 2010) e tive de reduzi-lo para transformá-lo em capítulo para o livro. Para aqueles que querem se aprofundar no tema, é uma boa sugestão.

O que você diria para aqueles que consideram o Direito Administrativo uma matéria difícil, densa e complicada?

É o seguinte: o Direito Administrativo é uma matéria cheia de nuances, mas não é complicada. Não tentem começar pelo "meio". Direito, como dizia Pontes de Miranda, é lógica. Desse modo, deve-se começar a estudar a matéria do primeiro capítulo. Especialmente a parte de princípios. Os princípios do Direito Administrativo, uma vez dominados, são um facilitador tremendo para os demais temas, pois tudo deve seguir a lógica dos princípios.

Em segundo lugar, o aluno deve ler a Constituição várias vezes. Não é necessário ler a Constituição comentada, não; ela deve ser lida "seca" mesmo. Com isso, o aluno passará a notar outras nuances e fixará os princípios do Direito Administrativo.

Digo, ainda, que não se deve "compartimentar" o Direito. O Direito é um só, especialmente o público; tudo está ligado, por isso determinados princípios constitucionais, ou mesmo de Filosofia do Direito, têm muito a ver com o Direito Administrativo.

Finalmente, encare a matéria sem preconceitos, abra a mente e comece do princípio. Daí tudo fica mais fácil quando não se tem o preconceito de que a matéria é complicada.

Quais suas dicas para que os concurseiros possam estudar melhor não somente o Direito Administrativo, como também as demais matérias usualmente cobradas em concursos públicos? Como estudar melhor e de maneira mais eficiente?

1. Disciplina - O concurseiro deve ter disciplina; tem de elaborar seu horário e segui-lo rigorosamente.

2. Perseverança - Quando se entra no mundo dos concursos, não se entra para passar, mas ATÉ passar.

3. Procure sua felicidade - Não encare a aprovação como a solução para sua vida. Ser aprovado é uma grande alegria, mão não pode ser o único objetivo na vida de uma pessoa.

4. Obtenha o apoio incondicional de sua família - O apoio de seus entes queridos é um fator muito importante para sua estabilidade emocional, vai lhe garantir tranquilidade.

5. Creia em Deus e ore - Acreditar que tem um ser superior que ama você e reservar um tempinho para orar é uma atividade muito importante para a mente.

6. Pratique alguma atividade física - O corpo precisa estar sintonizado com o ritmo mental. Nem que seja caminhar por meia hora, a atividade é necessária.

7. Faça o bem de modo desinteressado - Praticar a caridade nos ajuda a ficar bem conosco; é uma sensação muito boa.

8. Tente ter BOAS horas de estudo, e não, necessariamente, MUITAS horas. Encontrar esse equilíbrio é importantíssimo.

9. Procure relacionar-se com pessoas que estão na mesma situação que você. Isso vai fazê-lo sentir-se mais "normal", pois a vida do "concurseiro" é bem diferente.

10. ACREDITE EM VOCÊ, na vida; tudo é uma recompensa do que você planta. Se você estudar de modo disciplinado, constante e contínuo, não tem jeito, um dia você passa!


Fonte: Blog do Concurseiro Solitário

Visitas: 553
Categorias: Todas as Notícias | Área Jurídica | Área Policial | Carreiras | Concursos | Concursos | Entrevista | Eventos | Facebook | OAB

0 Comentário(s)